Notícias
O que deve saber sobre o mercado imobiliário
Notícias
voltar \ Nas zonas prime de Lisboa existem 12 mil imóveis por reabilitar

Nas zonas prime de Lisboa existem 12 mil imóveis por reabilitar

13 out 2017
Nas zonas prime de Lisboa existem 12 mil imóveis por reabilitar
O mercado total de reabilitação representa à volta de 26 mil milhões de euros, com cerca de 1.5 milhões de edifícios (30% do total de edificado nacional) a necessitar de obras de reabilitação. Só nas zonas prime de Lisboa existem 12 mil imóveis por reabilitar.
Números avançados por Francisco Quintela, partner e cofundador da mediadora Quintela & Penalva, que actua essencialmente no segmento prime, revela que só no centro histórico de Lisboa encontramos cerca de 70% da oferta de comercialização de edifícios reabilitados, com preços médios até 35% mais face ao que se verifica na restante cidade.
 
E como o aumento de procura faz aumentar os preços, o responsável assegura que se regista um aumento de 9% no centro histórico de Lisboa, face a 2016. nos últimos cinco anos o investimento na reabilitação ascendeu aos 600 milhões de euros. Francisco Quintela garante ainda que a perspetiva “é que não deixe de aumentar nos próximos dois a três anos, face ao interesse por estes imóveis específicos por parte de investidores com capacidade financeira para tal”.
 
Existem apartamentos em Lisboa com preços entre os 10 mil e os 12 mil euros/m2
 
O responsável da Quintela & Penalva revela também que alguns dados indicam que o valor médio dos imóveis em Lisboa, nas suas localizações premium, é de 6.800 euros/m2. “Ora, quando verificamos que a reabilitação nas zonas históricas está a 6.400 euros/m2, e que é nas zonas históricas que encontramos os projetos mais caros, com apartamentos que podem rondar entre os 10 mil e os 12 mil euros/m2, podemos então considerar que em muitas situações, os valores da reabilitação já batem a habitação nova”.
 
Ricardo Sousa, Administrador da Century 21 Portugal, também é de opinião que nas zonas históricas, se está a assistir a uma profunda transformação dos edifícios e da sua utilização, juntamente com um crescimento considerável do número de visitantes da cidade. “A conjunção destes factores está a permitir que estas zonas da cidade ganhem uma grande atratividade para soluções imobiliárias com fins turísticos e também para um segmento premium de habitação”, esclarece.
 
E pelo facto de existir uma clara falta de oferta de imóveis de construção nova, consequentemente, os imóveis reabilitados destacam-se e atraem um grande número de interessados. “Não consideramos que os preços estejam inflacionados, mas constatamos e lamentamos o excesso de concentração de oferta nos segmentos médio alto e de luxo”, refere Ricardo Sousa.
 
Reabilitação também atrai no Porto
 
Quanto à cidade do Porto, Joana Lima, responsável da consultora Predibisa pelo segmento Reabilitação, garante que atualmente a maior procura incide no Centro Histórico, pelo encanto dos edifícios e pela rentabilidade associada. “Continua a haver uma procura superior à oferta, tanto de edifícios por reabilitar como por apartamentos já reabilitados, o que tem provocado uma dinâmica crescente do valor por metro quadrado. Em algumas artérias como a Rua das Flores e a Rua Mouzinho da Silveira temos registado uma subida de 25% do valor ao ano”, salienta.
 
Revela ainda que dependendo da zona e da qualidade da intervenção, os preços médios situam-se entre os 2.700 e os 6.000 euros por metro quadrado.
 
“A procura na Baixa tem sido constante e crescente, designadamente em edifícios com características históricas que estão a ser alvo de reabilitação. Este processo é idêntico ao que ocorreu em outras cidades europeias com casco histórico de grande qualidade arquitectónica, revelando que actualmente são essas as zonas mais valorizadas. O Porto está apenas a seguir essa tendência”, admite.


in diarioimobiliario.pt
Veja Também